04 dezembro 2020

Os direitos das pessoas com deficiência versus pandemia debatidos em Évora

Reflectir sobre os direitos das pessoas com deficiência em período de pandemia e sobre os impactos que esta situação está a ter nos diversos aspectos da sua vida foi o principal assunto debatido no III Fórum Inclusivo (realizado por vídeo-conferência) que decorreu na manhã de 3 de Dezembro, em Évora, sob o lema "Os direitos das pessoas com deficiência versus pandemia".

Este fórum, muito enriquecedor pela qualidade das intervenções, foi organizado pela Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental (APPACDM) de Évora e inseriu-se nas comemorações do Dia Internacional da Pessoa com Deficiência, dinamizadas pela Câmara de Évora em parceria com as diversas associações ligadas à área da deficiência no Concelho.

A Vereadora da Educação e Presidente do Conselho Local de Ação Social de Évora, Sara Dimas Fernandes, participou nos trabalhos, nomeadamente na sessão de abertura, assim como a Presidente da Direção da APPACDM de Évora, Rosa Moreira. Na moderação dos painéis esteve Bruno Martins (Diretor Técnico da Associação de Paralisia Cerebral de Évora).

Pessoas portadoras de deficiência deram os seus testemunhos sobre a sua situação em tempos de pandemia, mas também foram ouvidos encarregados de educação, técnicos e representantes de instituições comunitárias.

Foi referido que muito tem sido feito nos últimos anos ao nível da Administração Central e Local para efectivar no terreno os direitos das pessoas portadoras de deficiência, mas "os avanços são ainda muito frágeis e este ano houve inclusive alguns retrocessos" com a pandemia, como constatou a Presidente da Direcção da APPACDM de Évora, Rosa Moreira.

Um trabalho que tem vindo a ser feito gradualmente em Évora, pois esta cidade, dadas as características patrimoniais singulares, ainda não é totalmente "simpática para pessoas com mobilidade reduzida", considerou a Vereadora Sara Dimas Fernandes, salientando também o esforço que vem sendo feito para tornar a cidade mais acessível.

Um recente exemplo disto é o "Projeto Acesso Universal 1.0 – Promover a mobilidade e acessibilidade para todos", uma iniciativa da Associação de Paralisia Cerebral de Évora realizada em parceria com a Câmara Municipal e que conta com apoio do Instituto Nacional para a Reabilitação. Esta parceria tem permitido identificar locais no Centro Histórico que condicionam a mobilidade aos cidadãos e apresenta soluções possíveis para os resolver indicando onde já foi realizada a intervenção e, por conseguinte, a mobilidade é já acessível a todos. Outro projecto, de entre o trabalho em curso, que torna a circulação mais confortável para munícipes e visitantes (incluindo pessoas com mobilidade condicionada) é o "Évora Turismo para Todos", em que o Município de Évora realiza obras de nivelamento de passeios e de passadeiras de peões no Centro Histórico da cidade. 

banner deficiencia1 2020 (2).jpg